Movimento Pela Qualidade

Shewhart

Walter A Shewhart - Pesquisador do Bell Labs e Professor da universidade da California.

Idealizador e introdutor do controle estatístico da qualidade e pai das idéias que mais tarde vieram a ser a base do 6 sigma.

Shewhart.png

Deming

William Edwards Deming

Obteve pouca atenção das empresas americanas a seus conceitos de qualidade. nesta época os Estados Unidos praticamente dominavam o comércio mundial. Foi então para o Japão e suas idéias foram adotadas principalmente pela indústria automobilística japonesa.

Deming.jpg

Dr. Deming, Mr. Junji Noguchi, Managing Director, JUSE - Union of Japanese Scientists and Engineers
(a esquerda) Japão, Novembro,1978

Ciclo Deming - PDCA

PDCA.png

QUATORZE PRINCÍPIOS DE DEMING:

Os denominados "14 princípios", estabelecidos por Deming, constituem o fundamento dos ensinamentos ministrados aos altos executivos no Japão, em 1950 e nos anos subseqüentes. Foram a essência de sua filosofia e aplicam-se indistintamente a organizações pequenas e grandes, tanto na indústria de transformação como na de serviços. Do mesmo modo, aplicam-se a qualquer unidade ou divisão de uma empresa.

São os seguintes:

1 - Estabeleça constância de propósitos para a melhoria do produto e do serviço, com o objetivo de tornar-se competitivo e manter-se em no mercado, bem como a criação de novos empregos;

2 - Adote a nova filosofia. Estamos numa nova era econômica. A administração ocidental deve acordar para o desafio, conscientizar-se de suas responsabilidades e assumir a liderança no processo de transformação;

3 - Deixe de depender da inspeção para atingir a qualidade. Elimine a necessidade de inspeção em massa, introduzindo a qualidade no produto desde seu primeiro estágio;

4 - Cesse a prática de aprovar orçamentos com base no preço. Ao invés disto, minimize o custo total. Tenha um único fornecedor para cada item, num relacionamento de longo prazo fundamentado na lealdade e na confiança;

5 - Melhore constantemente o sistema de produção e de prestação de serviços, de modo a melhorar a qualidade e a produtividade e, consequentemente, reduzir de forma sistemática os custos;

6 - Institua treinamento no local de trabalho;

7 - Institua liderança. O objetivo da chefia deve ser o de ajudar as pessoas, as máquinas e dispositivos a executarem um trabalho melhor. A chefia administrativa está necessitando de uma revisão geral, tanto quanto a chefia dos trabalhadores de produção;

8 - Elimine o medo, de tal forma que todos trabalhem de modo eficaz para a empresa;

9 - Elimine as barreiras entre os departamentos. As pessoas engajadas em pesquisas, projetos, vendas e produção devem trabalhar em equipe, de modo a preverem problemas de produção e de utilização do produto ou serviço;

10 - Elimine lemas, exortações e metas para a mão-de-obra que exijam nível zero de falhas e estabeleçam novos níveis produtividade. Tais exortações apenas geram inimizades, visto que o grosso das causas da baixa qualidade e da baixa produtividade encontram-se no sistema estando, portanto, fora do alcance dos trabalhadores;

11 -
a) Elimine padrões de trabalho (quotas) na linha de produção. Substitua-os pela liderança.
b) Elimine o processo de administração por objetivos. Elimine o processo de administração por cifras, por objetivos numéricos. Substitua-os pela administração por processos através do exemplo de líderes;

12 -
a) Remova as barreiras que privam o operário horista de seu direito de orgulhar-se de seu desempenho. A responsabilidade dos chefes deve ser mudada de números absolutos para a qualidade.
b) Remova a barreiras que privam as pessoas da administração e da engenharia de seu direito de orgulharem-se de seu desempenho. Isto significa, a abolição da avaliação anual de desempenho ou de mérito, bem como da administração por objetivos;

13 - Institua um forte programa de educação e auto-aprimoramento;

14 - Engaje todos da empresa no processo de realizar a transformação. A transformação é da competência de todo mundo.

Fonte: DEMING, W. E. Qualidade: A Revolução da Administração. Rio de Janeiro: Marques Saraiva, 1990.

Juran

Joseph Juran - Estudou principalmente a confiabilidade dos equipamentos e foi o responsável pela idéia da relação 80 X 20 nos parâmetros de desempenho da empresas.

Este princípio é hoje conhecido como Princípio de Pareto, nome dado pelo próprio Juran, mas é um nome errado, pois o que Pareto formulou foi um complexo princípio econômico.

Na realidade, o que Juran queria, era deixar bem claro a necessidade de se preocupar com os "poucos que realmente importam e deixar de lado os muitos que não importam".

Juran.png

A trilogia de Juran

Melhoria da qualidade

1 Reconheça as necessidades de melhoria.
2 Transforme as oportunidades de melhoria em uma tarefa de todos os trabalhadores.
3 Crie um conselho de qualidade, selecione projetos de melhoria e as equipes de projeto e de facilitadores.
4 Promova a formação em qualidade.
5 Avalie a progressão dos projetos.
6 Premie as equipes vencedoras.
7 Faça publicidade dos seus resultados.
8 Reveja os sistemas de recompensa para aumentar o nível de melhorias.
9 Inclua os objetivos de melhoria nos planos de negócio da empresa.

Planejamento da qualidade

1 Identifique os consumidores.
2 Determine as suas necessidades.
3 Crie características de produto que satisfaçam essas necessidades.
4 Crie os processos capazes de satisfazer essas características.
5 Transfira a liderança desses processos para o nível operacional.

Controle da qualidade

  1. Avalie o nível de desempenho atual.
  2. Compare-o com os objetivos fixados.
  3. Tome medidas para reduzir a diferença entre o desempenho atual e o previsto.
trilogia.png
Juran e Deming foram os dois pioneiros do movimento da qualidade.
Os japoneses os consideram inspiradores do seu milagre industrial iniciado na década de 50 e que permaneceu inabalado até a década de 1990
O Ocidente só foi perceber o significado das suas palavras três décadas depois.

Feigenbaum

Ele é o pai do conceito de controle de qualidade total (Total Quality Control). É reconhecido como pioneiro no estudo dos custos da qualidade.

A qualidade quem estabelece são os clientes e não os profissionais de engenharia, marketing ou a alta administração. A qualidade de um produto ou serviço pode ser definida como um conjunto total das características de marketing, engenharia, fabricação e manutenção do produto ou serviço que satisfazem as expectativas dos clientes.

Trata-se de um instrumento estratégico que deve preocupar todos os envolvidos, sejam eles internos ou externos à organização. É uma filosofia voltada para a gestão.

Os Quatro Pecados Mortais segundo Feigenbaum

  1. Interesse inicial pela qualidade levado de maneira oportunista;
  2. Racionalização de desejo;
  3. Negligenciar a concorrência;
  4. Confinamento da qualidade somente na fábrica.

Nove fatores fundamentais que afetam a qualidade ( 9 M’s ):

1. Mercados (Markets): competição e velocidade de mudança;
2. Dinheiro (Money): margem de lucro estreita e investimentos;
3. Gerência (Management): qualidade do produto e assistência técnica;
4. Pessoas (Man): especialização e Engenharia de Sistemas;
5. Motivação (Motivation): educação e conscientização para a Qualidade;
6. Materiais (Materials): diversidade e necessidade de exames complexos;
7. Máquinas (Machines): complexidade e dependência da Qualidade dos materiais;
8. Métodos (Methods): melhores informações para tomada de decisão;
9. Montagens do Produto-requisito (Mounting product requirements): fatores que devem ser considerados - poeira, vibração, etc.

Crosby

Qualidade é a conformidade do produto às suas especificações.

" As necessidades devem ser especificadas, e a qualidade é possível quando essas especificações são obedecidas sem ocorrência de defeito".

As 5 ilusões da qualidade segundo Crosby:

A qualidade tem sido encarada como um assunto técnico limitado aos profissionais. O segredo está na atitude de prevenção. Mas na prática, ela resume-se às ações de policiamento dos gestores.

As tentativas para criar uma cultura de prevenção falham devido às seguintes cinco ilusões fundamentais sobre qualidade:

1 - A qualidade significa luxo ou notoriedade.

2- A qualidade é algo intangível e não mensurável.

3 - A convicção de que é impossível fazer bem à primeira vez.

4 - Os problemas da qualidade partem dos trabalhadores.

5- A qualidade é criada pelos departamentos de qualidade.

Ishikawa

Depois da Segunda Guerra Mundial foi um dos impulsionadores da Japonese Union of Scientits and Engineers (JUSE), promotora da qualidade no Japão, e foi a figura japonesa mais representativa do movimento da qualidade.

Deu um cunho japonês aos ensinamentos de Deming e Juran e criou as sete famosas ferramentas do controle estatístico da qualidade.

1. Gráfico de Pareto.

2. Diagrama de causa-efeito (espinha de peixe ou diagrama de Ishikawa).

3. Histogramas.

4. Folhas de verificação.

5. Gráfico de dispersão.

6. Fluxogramas.

7. Cartas de controle.

Ressaltou os seguintes pontos:

1. A qualidade começa e termina com a educação.
2. O primeiro passo na qualidade é conhecer as especificações do cliente.
3. O estado ideal do Controle de Qualidade é quando a inspeção não é mais necessária.
4. Remova a causa fundamental e não os sintomas ( Diagrama de Causa e Efeito).
5. Controle de Qualidade é responsabilidade de todos os trabalhadores e de todas as divisões .
6. Não confunda os meios com os objetivos.
7. Coloque a qualidade em primeiro lugar e estabeleça suas perspectivas de longo prazo.
8. O marketing é a entrada e a saída da qualidade.
9. A alta gerência não deve mostrar reações negativas quando os fatos forem apresentados pelos subordinados.
10. Noventa e cinco por cento dos problemas na companhia podem ser resolvidos pelas sete ferramentas do Controle de Qualidade.
11. Dados sem informação de sua dispersão são dados falsos - por exemplo, estabelecer a média sem fornecer o desvio padrão ( Variabilidade ).

Qualidade é desenvolver, projetar, produzir e comercializar um produto de qualidade que é mais econômico, mais útil e sempre satisfatório para o consumidor.

ishik.png

Taguchi

Taguchi trata de todo o ciclo de produção desde o design até à transformação em produto acabado. Ele define a qualidade em termos das perdas geradas por esse produto para a sociedade. Essas perdas podem ser estimadas em função do tempo que compreende desde a fase de expedição de um produto até o final da sua vida útil. São medidas em valores monetários permitindo assim a percepção de todos.

Para Taguchi a chave para reduzir as perdas não está na conformidade com as especificações, mas na redução da variância estatística em relação aos objetivos fixados.

Concebeu uma equação para quantificar o declínio do valor do produto percebido pelo cliente a medida que a qualidade diminui ( Função de perda ). Essencialmente, ela diz aos gestores o quanto de receita esta se perdendo devido à variabilidade do seu processo de produção. Trata-se de uma ferramenta poderosa para projetar os benefícios de um programa de melhoria da qualidade.

Taguchi foi a primeira pessoa a relacionar a qualidade ao custo.

Ao avaliar um processo de produção a análise identifica fatores externos ou 'ruídos' que causam desvios da média. Isolar esses fatores para determinar os seus efeitos individuais pode ser um processo muito caro e demorado. Taguchi concebeu uma forma de isolar esses fatores de ruído de todos os outros de uma forma rentável (Gráficos Lineares).

Alguns dos fatores ruído podem ser identificados, isolados e até mesmo eliminados, mas outros não podem.

A Robustez refere-se à capacidade de um processo ou de produto trabalhar independente de influências externas e incontroláveis.

taguchi.png

Outros nomes que contribuiram para o movimento da qualidade

Lilian e Franklin Gilbreth

A teoria proposta pelos Gilbreth baseia-se na "Melhor maneira pa executar uma tarefa". A eficiência, segundo eles, dentro da teoria da administração, pode ser achada ao se descobrir e aprimorar esta "Melhor Maneira", sobretudo através da observação dos processos.

Os Gilbreths, já no início do século passado utilizaram-se, então, de " novas tecnologias" nos seus estudos, tais como: filmagens para levantar o padrão de movimentos executados pelos trabalhadores na execução de suas tarefas, que eram quebradas em pequenas partes as quais chamavam de "therbligs" e a partir deste estudos propunham novos procedimentos. Dentre seus estudo e soluções destacam-se as aplicadas aos trabalhadores da construção civil americana e ao processo utilizado até hoje nas cirurgias pelos instrumentadores.

A teoria proposta por Frank e Lillian Gilbreth pode ser sumarizada por:

1. A redução do número de passos na execução da tarefa aumenta a eficiência.

2. Foco no estudo incremental dos passos e tempos nos quais as tarefas se dividem para entendê-las como um todo.

3. O objetivo da melhoria da eficiência reside tanto no aumento do lucro, quanto na satisfação do trabalhador.

Massaaki Imai

Criador da filosofia Kaisen, que significa melhoria contínua

Richard Schonberger

Fez a transição de técnicas japonesas como o just-in-time para o mundo ocidental.

Atividade

Identifique, pelo menos, três conceitos comuns ( Ideias básicas - Princípios) apresentados pelos principais responsáveis pelo movimento pela qualidade moderna.

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License